Início » Política » Depois que a alma é lavada, o que resta?

Depois que a alma é lavada, o que resta?

Hoje, 17 de setembro de 2012, teve início o julgamento do núcleo político envolvido no esquema de compra de votos de parlamentares durante o governo Lula (2003-2010), o chamado Escândalo do Mensalão. De acordo com o andamento do processo, tudo indica que a maioria dos políticos envolvidos no mensalão será condenada. Petistas que se sentiram traídos, antipetistas, Veja e Reinaldo Azevedo compõem o coro que anuncia a iminência da tragédia. O próprio José Dirceu já não acredita mais que, tal como Deus ex machina, possa ser absolvido.

Não hoje, mas neste mesmo ano de 2012, foi criada a Comissão Nacional da Verdade, cujo objetivo é investigar violações de direitos humanos promovidas pelo Estado no período entre 1946 e 1988. Vale lembrar que o foco principal da Comissão se localiza entre os anos 1964 e 1985, fase da história brasileira marcada pelo Estado de exceção e pelo governo autoritário dos militares. Intelectuais, esquerdistas, ex-torturados e ex-perseguidos políticos, famílias das vítimas e as próprias vítimas confiam no poder da Comissão para levar o país a prestar contas com o passado obscuro de sua história.

É verdade que há pessoas interessadas tanto na punição dos réus do mensalão quanto na reparação de feridas históricas do Brasil, mas isso ainda não é o mais importante. O que se espera com o julgamento do mensalão? O que se espera com a criação da Comissão Nacional da Verdade? De um ponto de vista jurídico, se espera que seja feita justiça no Brasil, que a corrupção não ande mais de mãos dadas com a impunidade, que o autoritarismo seja finalmente banido da sociedade brasileira e ceda lugar a uma cultura democrática.

No entanto, do ponto de vista do indivíduo, do brasileiro comum, seja ele homem ou mulher, intelectual ou analfabeto funcional, conservador ou progressista, parece-me que nem sempre é a justiça que está em questão, mas sim a alma lavada. Todo a dor sofrida mas contida, todo grito que aguarda ansiosamente o momento de dizer “chega”, toda humilhação recalcada; todo o mal que se viveu e que ainda existe se concentra, agora, no julgamento do mensalão e na Comissão Nacional da Verdade. O mal deve ser extirpado, deve ser sacrificado para, somente então, o país encontrar sua verdadeira essência, sua verdadeira paz.

Então a punição dos réus do escândalo do mensalão e a prestação de contas com os terríveis acontecimentos ocorridos durante o regime militar no Brasil tornaram possível que o país, finalmente, se reconcilie consigo mesmo? Será possível que daqui 1 ou 2 anos seja possível refundar a sociedade brasileira? Não é possível ter certeza disso. Não pretendo avaliar a pertinência ou não do julgamento e da Comissão. Contudo, é importante dizer que o sucesso desse dois juízos não será suficiente, por si só, para “refundar” e “transformar” a sociedade. Se o vocabulário político da mídia e da maioria da população continuar sendo tão agressivo, se as relações entre governantes e governados permanecerem as mesmas, então é bom se preparar para a chegada do tédio e do vazio que sempre sucedem um desejo mal satisfeito.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: